As palavras são terapêuticas?



Claro que sim! É muito fácil perceber e sentir isso. Como desabafar, falando, escrevendo, pode aliviar a tensão, diminuir o peso acumulado que cada um de nós carrega. Mas de que modo podemos fazê-lo através do exercício da escrita? Já experimentou o método do journaling? Tem o seu diário por perto, quando lhe apetece explodir ou, simplesmente, escrever o que sente? Pode ser uma boa ideia.


Fique por aqui para perceber como escrever pode ser uma verdadeira aula de ioga, depois da qual se sente relaxado e de novo em sintonia com o que o rodeia.


O método do Journaling


Não se baseia em criatividade, é simplesmente escrever de modo reflexivo e atento sobre o que preenche o seu dia, as suas experiências, as suas vivências, surpreendentes ou rotineiras, as emoções que estas traduzem… É um diário, mas com verdadeiros poderes. É parar para pensar!


  • Pensamento estruturado e foco

A escrita pode ser uma ótima ferramenta para sentir-se mais focado nas suas prioridades, explorando diferentes perspetivas sobre os seus objetivos e pensando nas soluções. É um tempo precioso que reservamos para avaliar situações e escalar na resolução de problemas, de uma maneira mais organizada e metódica.


“A leitura traz ao homem plenitude; o discurso, segurança; e a escrita, precisão.”
Francis Bacon

  • Autoconhecimento

Se deixarmos a escrita fluir, acabamos por conseguir conhecer-nos melhor. As nossas fraquezas, as nossas forças, desejos, necessidades ficam expostos e, com o passar do tempo, começamos a ganhar mais confiança!

  • Inteligência emocional

Praticar este exercício é, sem dúvida, uma forma de libertação. Expressamos emoções, mas com controlo, investindo análise no que sentimos e fugindo à comum impulsividade. Mais resumidamente, crescemos emocionalmente.

  • Relaxamento

Quantas vezes, depois de escrever ou ler um texto, já se sentiu como se estivesse “estendido no ringue”, quase em Knock Out? Este é um exemplo escalado do poder das palavras. Mas, o que queremos dizer é que escrever pode significar alívio de stresse e ansiedade. Foco e concentração têm também benefícios meditativos e libertadores.





Da teoria à prática, as palavras têm, de facto, poder! Por isso, avance, experimente esta técnica! Escolha o lugar, a altura melhor do dia dentro da sua dinâmica e o caderno e, simplesmente, faça-o! Comece a escrever. Não é para alguém ler, não expectamos resultados financeiros nem progressões de carreira. É um “deitar cá para fora” que pode ser colorido, desenhado ou esquemático. É à sua maneira!


Pode optar entre:

· Delinear os objetivos para o dia seguinte

· Registar os amores e dissabores do dia

· Listar coisas pelas quais está grato por terem acontecido

· Aprendizagens e ensinamentos do dia

· Reflexões sobre um tema concreto

· Colocar questões e responder, para se conhecer melhor (O que me motiva?, O que me surpreende? Como me desafiar?, etc).


Daqui à escrita criativa pode ser um passo!


Já embrenhado no poder da escrita, a imaginação pode ser desperta. Surgem ideias que podem ser materializadas enquanto escreve, enredos, romance, mistério e a criatividade aparece para dar outro teor à escrita. Até podemos estar a introspectar, mas é de modo diferente.


Para quem tem o hábito da leitura, talvez seja um processo mais intuitivo, o de explorar a história e as personagens. De facto, com tantas plataformas mais visuais e “fáceis”, a leitura pode ficar para segundo plano. Mas, tal como devoramos séries, num estilo muitas vezes compulsivo, há outros que consomem literatura de um modo voraz. E ainda bem! Seremos sempre esponjas, com maior ou menor capacidade de absorção ao longo da vida, o conhecimento vem de todos os lados. Para quem os livros continuam a ser uma porta aberta, o “bichinho” da escrita pode ser mais “carpinteiro”, perdoem-nos o trocadilho!


Mas atenção, a criatividade não tem, necessariamente, de ser um dom! Tudo precisa de trabalho, rigor, compromisso e domínio de várias matérias.


  • Faça da escrita uma rotina. Tem de escrever diariamente, a criatividade também exige dinâmica. Não pode ficar parado à espera que a inspiração chegue sem trabalho. Até pode ter aquelas ideais geniais em momentos em nada contextualizados, mas, depois, tem de trabalhar!

  • Anote as ideias que vai tendo. Como dissemos acima, pode ser em qualquer momento. Pode ser num bloco de notas, que anda consigo na mala ou no bolso, ou basta gravar um áudio. A agilidade que tem ao registar certos momentos de inspiração, por mais pequenos que possam ser, é muito importante!

  • Passando a fase da introspeção de que falámos acima, aquando da técnica de Journaling, o leitor tem de ser sempre o seu primeiro “alvo”. Está a escrever para outro. Pense no seu leitor, na sua linguagem, tente materializá-lo. A sua escrita tem um destinatário e tem de conhecê-lo o melhor possível.


Na Masterclass de Escrita Criativa tem uma oportunidade única para aprender a desenvolver a criação da ideia e os processos técnicos da escrita! Eduarda Laia, argumentista vencedora de um Emmy Internacional e com 5 nomeações, fala da sua experiência profissional e da sua perspetiva sobre o que é a escrita - um espaço onde se cruzam a narrativa criativa e o storytelling.


Saiba tudo no site da Proficoncept, aqui.


#proficoncept#eduardalaia#escritacriativa#escrita #escrever #writing #processocriativo#guionismo #ficção



9 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo