Escrever um guião em 1, 2 e 3!


Parece-nos demasiado ambicioso escrever um guião em três passos. Estamos a falar de um processo de grande envolvimento, que exige muita concentração, grandes lufadas de criatividade e muita disciplina!


Empregámos bem a palavra processo neste contexto. É preciso organização, planeamento e uma estrutura muito vincada. Há um encadeamento de ações que tem de ser cumprido e, ao seguir este caminho da escrita criativa, vai passar por várias fases! Vamos juntos nessa direção? Atenção aos altos e baixos!


A Ideia


Uma boa ideia pode ser, efetivamente, o princípio de tudo! É o início do processo e, muitas vezes, para lá chegar não é nada fácil.


Um guionista tem de ter uma criatividade muito realçada e esperar por uma ideia que traga novidade e seja o suporte de toda a essência da história pode ser muito frustrante e desgastante.


As ideias podem surgir no meio das dinâmicas mais rotineiras ou numa observação mais atenta da realidade. Claro que ter um olhar treinado, ter hábitos como andar sempre a registar situações que podem fazer parte de uma história, conhecer pessoas, conversar, ler muito são essenciais para despertar a criatividade e uma nova ideia com potencial!


Pôr a ideia no papel


Uma frase que hoje em dia pode até nem fazer sentido, uma vez que somos, cada vez mais, adeptos do digital… Mas seja em que suporte for, tem de registar a ideia. Ao fazer isso, está a organizar-se melhor nos seus pensamentos. E só com esta organização vai conseguir identificar lacunas e pontos fracos que devem ser corrigidos. Se conseguiu uma boa ideia central, muitos parabéns! Agora, vai ser necessário organizá-la da maneira mais objetiva possível. Começamos, então, a entrar nas diferentes fases do guião:


Storyline – tente descrever a ideia central da sua história numa frase, quanto muito num pequeno parágrafo. Uma boa storyline deve ser curta, direta e clara, apresentando o conflito, a intriga e as personagens principais.

Consegue identificar a história, com estes exemplos de storyline?


1. Numa terra medieval fantástica, um pequeno hobbit precisa destruir um anel mágico para derrotar o senhor das trevas.

2. Um professor frustrado de química é diagnosticado com um cancro terminal e decide traficar drogas para conseguir dinheiro.

3. A bordo navio Titanic, pouco antes do seu naufrágio, uma noiva aristocrata apaixona-se por um pintor boémio de classe baixa.

Sinopse – o segundo passo a dar desde a ideia até ao guião. Podemos descrever a sinopse como a storyline mais desenvolvida ou até a primeira forma textual de um guião. Já precisamos de especificar melhor os acontecimentos da história, não deixando de ter uma abordagem concisa do enredo e das personagens.

E depois da storyline surge a sinopse…


Walter White (Bryan Cranston), na casa dos 50 anos, é professor de química numa escola secundária no Novo México. Para atender às necessidades de Skyler (Anna Gunn), a sua mulher grávida, e Walt Junior (RJ Mitte), o seu filho deficiente físico, Walter tem de trabalhar arduamente. Quando descobre que tem um cancro no pulmão incurável, Walter tem de conseguir rapidamente dinheiro para deixar à sua família. Com o conhecimento de química começa a produzir metanfetamina e conta com a ajuda do ex-aluno e pequeno traficante Jesse (Aaron Paul) para vender a droga, enfrentando vários desafios.

Guião – Este terceiro passo é o de um texto mais condensado. Contém a história na íntegra, descreve as personagens principais e responde a todas as variáveis: “quando”, “onde”, “o quê”, “quem” e “porquê”, como na sinopse, e ainda “como”, ou seja, os detalhes - como cada coisa acontece. No guião, explora-se o enredo, descobre-se cada detalhe das personagens. Tem a sequência das cenas e, dentro de cada cena, as ações e os diálogos e a descrição de todo o contexto envolvente.


Na Proficoncept, Eduarda Laia, vencedora de um Emmy e com uma vasta experiência como guionista, vai ajudá-lo a fazer todo este exercício! A formação de Escrita Criativa e Dramaturgia é um espaço de partilha que cruza a narrativa criativa, a dramaturgia e o storytelling.



Sempre com muita criatividade e os melhores conselhos! Veja o que o que está preparado para a Sessão nº10:


ESQUECE TUDO O QUE OUVISTE

- A reescrita como ferramenta fundamental do processo.

- A importância de aprender a libertar-se.

- A capacidade de apagar e recomeçar do nada…



Saiba tudo no site da Proficoncept, aqui.



9 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo